Terça-feira, 27 de Maio de 2008

PORTUGAL cada vez Mais Afastado da Europa

Olá a todos os caríssimos e caríssimas "Blognautas"

Aqui vos deixo um texto que, não tendo sido publicado neste ano, demonstra bem o caminho que Portugal está a seguir e onde chetgaremos nós com estes políticos medíocres a quem infelizmente, o povo acabou uma vez mais acreditar dando-lhe uma maioria... absurda (perdoem-me o acto falhado) digo, absoluta...

(Nota: Os destaques a amarelo são nossos!)

 

"LISBOA, 21 sep (IPS) - Indicadores económicos y sociales periódicamente divulgados por la Unión Europea (UE) colocan a Portugal en niveles de pobreza e injusticia social inadmisibles para un país que integra desde 1986 el 'club de los ricos' del continente.


Pero el golpe de gracia lo dio la evaluación de la Organización para la Cooperación y el Desarrollo Económicos (OCDE): en los próximos años Portugal se distanciará aún más de los países avanzados.

 

La productividad más baja de la UE, la escasa innovación y vitalidad del sector empresarial, educación y formación profesional deficientes, mal uso de fondos públicos, con gastos excesivos y resultados magros son los datos señalados por el informe anual sobre Portugal de la OCDE, que reúne a 30 países industriales.

 

A diferencia de España, Grecia e Irlanda (que hicieron también parte del 'grupo de los pobres' de la UE), Portugal (Melhor dizendo seria... a porcaria dos políticos que escolhemos já em 1995 e que agora estão de volta após 2 anos de pausa para café!... veja-se abaixo!) no supo aprovechar para su desarrollo los cuantiosos fondos comunitarios que fluyeron sin cesar desde Bruselas durante casi dos décadas, coinciden analistas políticos y económicos.

 

En 1986, Madrid y Lisboa ingresaron a la entonces Comunidad Económica Europea con índices similares de desarrollo relativo, y sólo una década atrás, Portugal ocupaba un lugar superior al de Grecia e Irlanda en el ranking de la UE. Pero en 2001, fue cómodamente superado por esos dos países, mientras España ya se ubica a poca distancia del promedio del bloque.

 

'La convergencia de la economía portuguesa con las más avanzadas de la OCE pareció detenerse en los últimos años, dejando una brecha significativa en los ingresos por persona', afirma la organización.

 

En el sector privado, 'los bienes de capital no siempre se utilizan o se ubican con eficacia y las nuevas tecnologías no son rápidamente adoptadas', afirma la OCDE.

 

'La fuerza laboral portuguesa cuenta con menos educación formal que los trabajadores de otros países de la UE, inclusive los de los nuevos miembros de Europa central y oriental', señala el documento.

Todos los análisis sobre las cifras invertidas coinciden en que el problema central no está en los montos, sino en los métodos para distribuirlos.

 

Portugal gasta más que la gran mayoría de los países de la UE en remuneración de empleados públicos respecto de su producto interno bruto, pero no logra mejorar significativamente la calidad y eficiencia de los servicios.

Con más profesores por cantidad de alumnos que la mayor parte de los miembros de la OCDE, tampoco consigue dar una educación y formación profesional competitivas con el resto de los países industrializados.

 

En los últimos 18 años, Portugal fue el país que recibió más beneficios por habitante en asistencia comunitaria. Sin embargo, tras nueve años de acercarse a los niveles de la UE, en 1995 comenzó a caer y las perspectivas hoy indican mayor distancia.

 

OU SEJA... desde que os portugueses colocaram os SOCIALISTAS no poder Portugal caminha para a fossa... e será o esgoto da Europa... Depois dos carros usados a cair de podre, vêm os camiões e os autocarros ... e sabe-se lá que mais que nós ainda não sabemos...

 

Dónde fueron a parar los fondos comunitarios?, es la pregunta insistente en debates televisados y en columnas de opinión de los principales periódicos del país. La respuesta más frecuente es que el dinero engordó la billetera de quienes ya tenían más.

Los números indican que Portugal es el país de la UE con mayor desigualdad social y con los salarios mínimos y medios más bajos del bloque, al menos hasta el 1 de mayo, cuando éste se amplió de 15 a 25 naciones.

 

También es el país del bloque en el que los administradores de empresas públicas tienen los sueldos más altos.

El argumento más frecuente de los ejecutivos indica que 'el mercado decide los salarios'. Consultado por IPS, el ex ministro de Obras Públicas (1995-2002) y actual diputado socialista João Cravinho desmintió esta teoría. 'Son los propios administradores quienes fijan sus salarios, cargando las culpas al mercado', dijo.

En las empresas privadas con participación estatal o en las estatales con accionistas minoritarios privados, 'los ejecutivos fijan sus sueldos astronómicos (algunos llegan a los 90.000 dólares mensuales, incluyendo bonos y regalías) con la complicidad de los accionistas de referencia', explicó Cravinho.

Estos mismos grandes accionistas, 'son a la vez altos ejecutivos, y todo este sistema, en el fondo, es en desmedro del pequeño accionista, que ve como una gruesa tajada de los lucros va a parar a cuentas bancarias de los directivos', lamentó el ex ministro.


 La crisis económica que estancó el crecimiento portugués en los últimos dos años 'está siendo pagada por las clases menos favorecidas', dijo.


 Esta situación de desigualdad aflora cada día con los ejemplos más variados. El último es el de la crisis del sector automotriz. Los comerciantes se quejan de una caída de casi 20 por ciento en las ventas de automóviles de baja cilindrada, con precios de entre 15.000 y 20.000 dólares. Pero los representantes de marcas de lujo como Ferrari, Porsche, Lamborghini, Maserati y Lotus (vehículos que valen más de 200.000 dólares), lamentan no dar abasto a todos los pedidos, ante un aumento de 36 por ciento en la demanda.

 

Estudios sobre la tradicional industria textil lusa, que fue una de las más modernas y de más calidad del mundo, demuestran su estancamiento, pues sus empresarios no realizaron los necesarios ajustes para actualizarla.

Pero la zona norte donde se concentra el sector textil, tiene más autos Ferrari por metro cuadrado que Italia.

E o governo foi deixando que apodressessem as contas nos paraísos fiscais... Agora penaliza com imposto autárquico (exorbitante ou até mesmo absurdo) todos os pobres que nada mais têm do que uma dívida de uma “casa de sonho” que os políticos lhes fizeram crer que poderiam comprar e que nos últimos anos se tornou num “autêntico pesadelo” ao verem os Banco a "sugarem-lhes" o ordenado (quando não mesmo lhes levam a casa e ficam a pagar o acréscimo de juros que se foram acumulando!)
 

Un ejecutivo español de la informática, Javier Felipe, dijo a IPS que según su experiencia con empresarios portugueses, éstos 'están más interesados en la imagen que proyectan que en el resultado de su trabajo'.

 

Para muchos 'es más importante el automóvil que conducen, el tipo de tarjeta de crédito que pueden lucir al pagar una cuenta o el modelo del teléfono celular, que la eficiencia de su gestión', dijo Felipe, aclarando que hay excepciones.


 'Todo esto va modelando una mentalidad que, a fin de cuentas, afecta al desarrollo de un país', opinó.

 

La evasión fiscal impune es otro aspecto que ha castrado inversiones del sector público con potenciales efectos positivos en la superación de la crisis económica y el desempleo, que este año llegó a 7,3 por ciento de la población económicamente activa.

 

Los únicos contribuyentes a cabalidad de las arcas del Estado son los trabajadores contratados, que descuentan en la fuente laboral. En los últimos dos años, el gobierno decidió cargar la mano fiscal sobre esas cabezas, manteniendo situaciones 'obscenas' y 'escandalosas', según el economista y comentarista de televisión Antonio Pérez Metello.

 

'En lugar de anunciar progresos en la recuperación de los impuestos de aquellos que continúan riéndose en la cara del fisco, el gobierno decide sacar una tajada aun mayor de esos que ya pagan lo que es debido, y deja incólume la nebulosa de los fugitivos fiscales, sin coherencia ideológica, sin visión de futuro', criticó Metello.

 

La prueba está explicada en una columna de opinión de José Vitor Malheiros, aparecida este martes en el diario Público, que fustiga la falta de honestidad en la declaración de impuestos de los llamados profesionales liberales.

 

Según esos documentos entregados al fisco, médicos y dentistas declararon ingresos anuales promedio de 17.680 euros (21.750 dólares), los abogados de 10.864 (13.365 dólares), los arquitectos de 9.277 (11.410 dólares) y los ingenieros de 8.382 (10.310 dólares).

 

Estos números indican que por cada seis euros que pagan al fisco, 'le roban nueve a la comunidad', pues estos profesionales no dependientes deberían contribuir con 15 por ciento del total del impuesto al ingreso por trabajo singular y sólo tributan seis por ciento, dijo Malheiros.

 

Con la devolución de impuestos al cerrar un ejercicio fiscal, éstos 'roban más de lo que pagan, como si un carnicero nos vendiese 400 gramos de bife y nos hiciese pagar un kilogramo, y existen 180.000 de estos profesionales liberales que, en promedio, nos roban 600 gramos por kilo', comentó con sarcasmo.

 

Si un país 'permite que un profesional liberal con dos casas y dos automóviles de lujo declare ingresos de 600 euros (738 dólares) por mes, año tras año, sin ser cuestionado en lo más mínimo por el fisco, y encima recibe un subsidio del Estado para ayudar a pagar el colegio privado de sus hijos, significa que el sistema no tiene ninguna moralidad', sentenció. (FIN/2004)

 

Será que temos de pedir a Espanha que venha libertar-nos de uns quantos que são muito piores para o povo português do que se nos tivéssemos deixado ficar sob o domínio da Dinastia Filipina?”

Ou será que, depois de terem saído "Os Filipes" de Lisboa, verificamos que temos hoje portugueses muito piores que Miguel de Sousa Tavares (perdão pelo acto falhado!) do que Miguel de Vasconcelos?

Algum dia ainda vamos escutar de novo um “Viva o Rei...! Viva Juan Carlos?”

Quando iremos aprender?

 

publicado por J.Ferreira às 09:57

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 16 de Maio de 2008

Eça de Queirós e a Actualidade Política

Comecemos por relembrar uma afirmação de Eça de Queiroz, em "O Conde de Abranhos":
"Este governo não cairá porque não é um edifício, sairá com benzina porque é uma nódoa"...
Os professores estão hoje debaixo de um fogo cruzado em que governantes e sociedade os consideram como dos piores cidadãos que  um país pode ter. Depois de insinuarem que faltam muito e que têm demasiadas férias, estava justificado o arrombo governamental às suas carteiras e a destruição de uma carreira legitimamente conquistada pelo esforço e dedicação. Porém, depois de muitos anos de estabilidade, muitos professores não sossegaram enquanto não chegamos ao ponto em que estamos hoje.
De facto, muitos dos que agora pela blogosfera se afirmam arrependidos apresentam um desencanto semelhante ao de muitos dos que nos consideraram publicamente como "pessimistas" quando se iniciou o processo de Autonomia das Escolas e a implementação daquilo que na altura se chamava de "Novo Modelo de Autonomia e Gestão das Escolas"... Conhecendo o seu conteúdo e a ambiguidade do que nele vinha expresso, a abertura existente para o que hoje se está a fazer, sempre fomos muito críticos quer quanto à eficácia do novo modelo (apenas estratégia para instalar o caos e justificar aquilo a que hoje assistimos: insultos à dedicação e competència de todos os professores, únicos que deveriam avaliar os alunos mas que acabam por ser avaliados na praça pública por todos, até por alunos insurrectos ou que sistematicamente reprovavam na escola!...) quer quanto à benevolência das intenções governamentais... Nao é por acaso que povo diz: "quando a esmola e grande o pobre desconfia"... É que quando parecem querer dar com uma mão, afinal, estão mas é a tirar com as duas...
Como referimos, no último ano do século passado, fomos considerados como pessimistas, numa conferência sobre a Autonomia das Escolas onde a administração reuniu um grupo de voluntários sonhadores que acreditaram nas intenções governamentais acompanhando-os na "venda da banha da cobra" e apregoavam aos quatro ventos as vantagens da conquista das escolas e dos professores. De facto, aquilo que apregoavam não passava de um presente envenenado...
E, como na altura respondemos, para nós, havía um enorme equívoco  quanto à nossa vontade de acreditar na Autonomia das Escolas... O grande problema de muitos daqueles sonhadores é que quando nos chamavam de pessimistas não se tinham ainda dado conta de que "um pessimista" é um "optimista bem informado".  E, como tal, conhecendo a postura demagógica dos políticos portugueses e o processo de legitimação das suas práticas, o modelo não nos fazia crer na sua bondade pois o que estava plasmado na lei não dava qualquer garantia de uma verdadeira autonomia.
Infelizmente, o tempo veio provar também que esse grupo de sonhadores "optimistas" não  passava de um grupo de "pessimistas mal informados". Compreendemos por que hoje o seu desencanto é total.
Muitos dos nossos colegas apoiaram a autonomia das escolas numa corrida desenfreada aos lugares de "poder". E, hoje, quando se vislumbra um aumento desse poder na avaliação dos seus pares (restos de salazarismo que publicamente tanto repudiam), os lugares de direcção das escolas acabam por ser ainda mais apetecíveis pois já se sentem num "mini-poleiro".
Hoje assistimos à destruição de tudo quanto eram os sonhos românticos da Autonomia, da inclusão (hoje constatada com "integração selvagem") de todos os alunos do Ensino Especial nos estabelecimentos do ensino regular, sem quaisquer critérios que não sejam os economicistas...
Foram as atitudes de muitos dos nossos colegas (que hoje se dizem arrependidos) que acabaram por despoletar o modelo de avaliação da Ministra que, sem se justificar, provocou o descalabro total nos estabelecimentos de ensino... e criou o ambiente "de cortar à faca" que hoje está instalado
De facto, só desconhecendo a realidade dos recursos das diferentes escolas do país, e considerando os alunos como tijolos se pode crer que é possível avaliar o trabalho dos docentes...
À partida, quando pensamos no nosso profissionalismo, todos nos consideramos os melhores! E por isso dizemos que é injusto que todos ganhem o mesmo ou tenham a mesma avaliação... Porém, quando o feitiço se vira contra o feiticeiro e aqueles que nós considerávamos como menos competentes (ou até incompetentes!) são hoje promovidos por esta Ministra a professores Titulares ou a Avaliadores... Depois... é tarde. E, é vê-los atar as mãos à cabeça e a gritar "Valha-me Deus..."
Claro...  é por estes professores (que se julgavam os melhores) e outros que tal que estamos como estamos...
Portugal tem em alguns dos seus escritores, textos que são inapagáveis e que demonstram muito bem o quanto estamos parados no tempo. Basta ler a visão dos políticos que Eça de Queiroz nos apresenta para verificar e constatar que esta é a realidade.... Parámos no tempo. E por isso, o que há um século se dizia permanece com valor inalterável...
Por isso, a esperança é a última a morrer... E, sabemos muito bem pela história, que mais cedo ou mais tarde o "Gigante  com Pés de Barro" acabará por sucumbir...
Por isso, voltaremos a relembrar a afirmação de Eça de Queiroz:
"Este governo não cairá porque não é um edifício,sairá com benzina porque é uma nódoa"...
De facto, os políticos portugueses não aprendem nada com os currícuios que eles mesmos colocaram em vigor durante décadas... E a culpa, claro, como não pode morrer solteira, é dos professores!... Como é qu estes senhores aprovaram quando frequentaram a Escola...? Terão apanhado a boleia da história passaram administrativa...? De entre os políticos que actualmente surgem nas direcção dos partidos, quantos é que não pertencem à geração escolar do tempo do PREC e do 25 de Abril... ?
Respostas, procuram-se!
publicado por J.Ferreira às 19:23

link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 8 de Maio de 2008

Quer Emprego em Portugal? Compre Produto Nacional!

Com este texto irónico descubra de forma simples como, inconscientemente, cada um de nós ajuda todos os dias a destruir mais um emprego em Portugal.

 

O José é um português que está desempregado. A ideia de que tem de arranjar um emprego quanto antes é coisa que não lhe sai da cabeça. Por isso, todas as manhãs, após uma boa noite de sono, graças a uma almofada de algodão (Made in Egipt), acorda ao som de um despertador (Made in Japan).  Depois de um banho com sabonete (Fabriqué en France),  usa a sua máquina eléctrica (Made in China) para se barbear e e enquanto o café (producido en Colômbia) estava a fazer na cafeteira eléctrica (Made in Republic Chech), aproveita para vestir-se:  uma camisa (Made in Sri Lanka), umas calças de ganga (Made in Singapure), um casaco de pele (Made in Turkey), um calçado desportivo (Made in Indonésia) e um relógio de pulso (Made in Swiss).
Coloca umas torradas de trigo (
produced in Canada) na sua torradeira (Made in Germany) e, enquanto toma o café numa chávena (fabricado en España), pega na máquina de calcular (Made in Australia) para ver quanto é que pode gastar nesse dia. Enquanto ouvia as notícias pela rádio (Made in India), acendeu o seu computador (Made in Thailand), abriu um buscador de internet (Made in USA) para consultar o seu correio electrónico para ver as previsões meteorológicas. Saiu bebendo um sumo de laranja (produced in Israel) e entrou no seu belo carro (Made in England) e lá partiu à procura de Emprego.
Ao fim de mais um dia frustrante, com muitos contactos feitos através do seu telemóvel (Made in Finland) e, após comer uma pizza (Made in Italy), o José
decidiu regressar a casa. Como já estava na hora de acabar a escola, foi buscar o seu filho que jogava na PSP (Made in Sweden) e a filha que se divertia com as amigas mostrando fotos no seu MP4 (Made in Sweden) e Calçou as suas sandálias (Fabricado no Brasil), sentou-se num sofá (Made in Denmark), serviu-se de um copo de vinho (produced in Chile), acendeu a TV (Made in South Korea) e pôs-se a pensar como seria o próximo episódio de "Desesperadamente Procurando Emprego !...":

 

"Por que não encontro um emprego em Portugal ?"

 

"Será que tenho de emigrar...?"

 

Pois pois... Se quiser encontrar a resposta para a sua pergunta. quando for de novo às compras, atente mais nos códigos de barras ... Depois... Depois, encontrará resposta à sua pergunta e nem precisará perguntar-me "Como ?".  Verificando o código de barras os artigos cujo número começa por 5 60 são, seguramente, artigos com uma forte componente nacional no seu processo de produção. 

     

 

De facto, somos todos um pouco avessos aos produtos nacionais. Sempre consideramos que "o que é bom é o produto estrangeiro é que é bem." Se é verdade que há produtos estrangeiros de excelente qualidade, não é menos verdade que, muitas vezes, compramos um produto de marca estrangeira qu é produzido ali ao lado da nossa casa, por portugueses, com tecnologia portuguesa. Produtos esses que viajam ao estrangeiro para serem etiquetados e regressam a Portugal para serem vendidos por preços exorbitantes quando comparados com equivalentes de marca portuguesa.

Assim, excluindo a maioria dos políticos e governantes, ramo em que seria interessante que fosse implementada a "Lei Bosman" (que foi criada para o Futebol...!) para podermos "importar" políticos e governantes bem mais competentes do que os que por aqui em passado a ver se encontramos gente mais competente para gerir melhor os dinheiros públicos e assim melhorar a qualidade de vida de todos os portugueses, temos como certo que "O que é Nacional... é Bom" !

Por isso, temos todos de repetir para todos os produtos uma máxima usada na publicidade por uma marca de bolachas : "O Que é Nacional é Bom!!!"

 

Portugal vive uma crise económica que há muito se esperava. A falta de capacidade e o descalabro das políticas económicas governamentais, seja na área da educação seja da saúde, levadas a cabo pelos sucessivos governos desde o 25 de Abril, demonstraram a incapacidade dos nossos políticos melhorarem a vida dos portugueses. Por isso, é chegada a hora de cada um de nós, cada um dos portugueses, dar um contributo significativo para o desenvolvimento do nosso país, contribuindo para criar emprego em Portugal. Se os cidadãos nada fizerem, com as políticas dos (des)governos Portugal continuará a caminhar paulatinamente para o abismo.

Se os cidadãos portugueses querem criar ou defender o seu emprego em Portugal, a única forma é alterar a sua preconceitos de que o que é estrangeiro é melhor. Antes, devemos desenvolver a consciência de que é o seu comportamento ou mentalidade de consumidores e, à semelhança dos "nuestros hermanos", passar a acreditar que os produtos importados não têm elhor qualidade que os feitos em casa. Aliás, quem não gosta de comer em restaurantes onde se classifica a comida como sendo "comida caseira"? Afinal, "o que é caseiro é bom", O QUE É NACIONAL (casa de todos os portugueses) naturalmente É BOM. Ou alguém divida que muitos dos produtos ditos "estrangeiros" são feitos lá pelos portugueses (ou "cá", nas nossas fábricas, e enviados para "lá" para receberem as etiquetas!). Temos de colocar em andamento a nossa máquina económica nacional.

Por isso apelamos aqui ao sentido de orgulho nacional dos portugueses, fazendo-os pensar sobre as suas escolhas na hora de comprar produtos equivalentes a outros fabricados no estrangeiro. Essa é a forma mais eficaz de combater o desemprego e de criar mais postos de trabalho. Se não quer sair de portugal (emigrar), compre produto nacional. E isso só se consegue se conseguirmos aumentar a procura dos produtos de fabrico nacional. Como? Consumindo produto português... Se queremos criar emprego em Portugal, compremos produtos fabricados em Portugal. E não é uma questão de nacionalismo: é orgulho naquilo que produzimos, um orgulho da qualidade do nosso trabalho, do resultado da nossa produção. Sabemos que o preços determinam em muito a escolha dos consumidores... Por isso, se Portugal quer melhorar a situação económica, não basta produzir uma mudança de mentalidade. Temos de agir numa  tripla dimensão:

Os empresários têm que ser menos ambiciosos e contentar-se com uma margem de lucro aceitável (e não só em tempos de crise). É fundamental que sejam menos gananciosos e se deixem do objectivo louco de querer ver, ano após ano,  os lucros subirem sempre desenfreadamente e face ao que conseguiram no ano anterior. Só assim os produtos podem chegar aos consumidores a um preço competitivo com os oriundos de outros países.

Os governantestêm de se convencer de que, com uma margem de imposto mais baixa e preços mais competitivos, a economia portuguesa pode atrair estrangeiros que venham e comprem e não apenas que venham para passear. Esta é a realidade actual, quando inquirimos os turistas oriundos da vizinha Espanha. Vêm mas não deixam cá os euros: partem de mãos a abanar. Ora. é fundamental  reduzir os impostos para os valores praticados por outros países (a vizinha Espanha  tem o máximo de IVA  a 16% !!!!)  para que os preços possam também ser mais competitivos.

Os portugueses têm que mudar de mentalidade e passar a olhar para os produtos nacionais como produtos de qualidade.  Se queremos criar emprego em Portugal, compremos o máximo de produtos fabricados em Portugal. Aliás, temos uma mão-de-obra que, não sendo valorizada em Portugal, é forçada a emigrar. E, quando a trabalhar no estrangeiro, são os mesmos portugueses (agora emigrantes) os que fabricam muitos dos produtos que acabamos por consumir em Portugal. Aqui não servem para os empresários.  NO estrangeiro são reconhecidos...

 

OS PORTUGUESES SÃO BONS TABALHADORES.

O problema de Portugal não está, segura e indiscutivelmente, nos trabalhadores. Temos, isso sim, governantes e empresários incompetentes.

As políticas dos sucessivos governos têm levado a que cada vez mais jovens qualificados se vejam obrigados a emigrar... na verdade, pagamos a sua formação e depois somos obrigados a ver que nos deixam e emigram para países da Europa (e não só!) porque aqui não são valorizados. Entes são ignorados, abandonados, insultados... E partem acabando por ajudar a crescer outros países. que sabem muito bem como aproveitar as suas capacidades.

Ficamos com os melhores trabalhadores e estamos sempre atrás dos que recebem os nossos "piores" (??!) trabalhadores: aqueles que aqui, em Portugal, dificilmente conseguem um emprego...  Sim, outros países os recebem e ali produzem mais do que em Portugal os tais melhores, os que são admitidos nas empresas... Não se percebe... Como puderam os outros países europeus, com a mão-de-obra que os empresários portugueses rejeitam (ou pagam muito mal!) fazer crescer a sua economia?... No estrangeiro valorizam os nossos emigrantes. Os mesmos que em Portugal têm dificuldade em encontrar um posto de trabalho ou o seu esforço não é devidamente valorizado são bem recebidos no estrangeiro. De facto, a maioria dos emigrantes portugueses, rejeitados pelos nossos empresários e maltratados pelos nossos governantes, vêem o seu valor reconhecido pelos empresários estrangeiros. Perante esta indiscutível realidade, será que os empresários portugueses e os nossos governantes ainda não se deram conta de que a culpa da economia portuguesa estar na miséria em que se encontra se deve exclusivamente à forma como os empresários gerem as empresas e, sem dúvida, às políticas implementadas pelos sucessivos governos e não aos trabalhadores portugueses? Os primeiros (empresários) pagam mal aos trabalhadores (compare-se o salário mínimo de Portugal e Espanha e os respectivos custos de vida!) mas compram altas viaturas, topo de gama (somos dos maiores importadores da marca Ferrari!). Os segundos (governos) esbanjam o dinheiro público de forma assustadora (basta ver a compra de submarinos em tempo de vacas magras e sem um objectivo bélico que o justifique, a subsituição de uma frota de carros de altas marcas sejam BMW, Volvo ou outros... , a construção de estádios de futebol  que superam quatro ou cinco vezes o orçamentado... ) sobrecarregando os contribuintes com impostos e mais impostos. É incrível como se tem de pagar imposto autárquico absurdamente elevado sobre a única casa  que se tem (e que nos suga tod o Subsídio de Férias e ainda o Subsídio de Natal, apesar do "direito à habitação" ser uma garantia prevista na constituição).

 

Mas alguém ainda tem dúvidas? Pois já é tempo de despertar...

 

Frequentemente, quando vamos às compras, tentamos ir à procura do produto mais barato, mas o que agora é barato, pode vir a curto prazo, a tornar-se muito caro para todos nós. Desde a mais pequena especiaria ao peixe que comemos, o nosso mercado está inundado por produtos fabricados no estrangeiro. O incrível como é que países com mão de obra mais cara conseguem vender os seus produtos a um preço mais baixo...

Um exemplo: enquanto em Espanha, por 4 iogurtes Actívia da Danone pagamos 1,99 €, em Portugal, os hipermercados marcam os mesmíssimos iogurtes a 2,44€.   Agora, multipliquem isto por 4 filhos (um iogurte pela manhã e outro à merenda na escola!) e vejam no final do mês qual a diferença de custo de vida para uma família em Portugal (146,40 €) e em Espanha (119,40 €). Agora pergunta-se: Como é possível que os iogurtes sejam mais baratos em Espanha se os trabalhadores em Espanha ganham muito mais do que Portugal?  A resposta só pode ter uma de duas possibilidades: ou os produtores e comerciantes colocam uma margem de lucro desmesurada, ou os impostos criados pelos governos são muito mais elevados. Bem... Na verdade não creio que seja nem uma nem outra causa, mas as duas. Somos, legalmente, roubados por empresários ambiciosos e gananciosos e pelo Governo.

Que fazer? Claro. Compreende-se perfeitamente que, vivem perto da fronteira, muitos portugueses façam as contas à vida e preferem comprar em Espanha uma grande parte dos produtos que necessitam. O problema é que o mesmo se passa com a cerveja, o leite, a gasolina, a roupa, e outros mais...  É que ir só por iogurtes... não valeria a pena! E assim se vai arrasando com a Economia...   São os EUROS a voar para Espanha e que o governo ainda não se deu conta de que contribuem para, a pouco e pouco, arruinar ainda mais a economia portuguesa. Antes eram os Espanhóis que vinham a Portugal. Agora são os Portugueses que compram o mais que podem em Espanha ajudando a sua economia... Os espanhóis que nos visitam pasmam-se ao verificarem os salários dos portugueses e o custo de vida que temos em Portugal... E perguntam-se: Como podem viver os portugueses com salários tão baixos e a vida tão cara? É que os portugueses ganham muito menos e pagam tudo muito mais caro. E temos um GOVERNO CEGO que deixa fugir os euros de Portugal para a vizinha Espanha, arruinando cada vez mais os cofres das finanças portuguesas em benefício da fazenda espanhola.

Na verdade, temos cada vez mais governos que mentem também cada vez mais aos cidadãos. Sócrates mentiu (ou permitiu que se mentisse aos portugueses relativamente ao falso aumento do petróleo. E, graças a essa mentira, aumentaram o preço a milhares de produtos.

Porém, todos sabemos o quanto o petróleo tem baixado (desceu de mais de 140 dólares para cerca de 50 nos últimas semanas, isto é baixou mais de um terço! ) e estando a um preço mais baixo do que no ano  2000, a gasolina e o gasóleo nã o baixaram, tal como havíamos previsto e alertado. Os interesses instalados habituaram-se aos lucros astronómicos e não querem perder uma margem de lucro choruda que lhes  garante apresentar ganhos no final do ano que lhes garantem sacar mensalmente os "salários de Rei" !

 

Deveria ter baixado na mesma proporção com que subiu... Mas nada...  Por que motivo? Porque os alarmistas dos jornalistas agora nem falam da baixa do petróleo... Por isso, o preço lá continua muito acima do que estava em 2005. E assim se permite encher cada vez mais os bolsos a quem dirige as companhias petrolíferas... Sobre isto, já há mais de um ano e meio que tínhamos escrito um texto -  "Subida do Preço do Petróleo é Uma Mentira!"  -  onde explicamos claramente que nos estavam a querer enganar... Enquanto a comunicação social vendia a FALSA ideia de que o petróleo tinha subido para justificar o aumento da gasolina, afinal, para os países europeus (com o euro como moeda!) o preço do Barril de Petróleo tinha descido!Com efeito, em 2000 o dólar valia 1,2 euros e “o barril de petróleo” custava 60 dólares, quer dizer, 72 euros. O gasóleo custava 65 cêntimos do euro (0,65 €).
Em Março de 2008 , um dólar vale 0,65 euros “o barril de petróleo” custava 104 dólares, quer dizer, 67,60 euros. Incrível.  O Barril tinha baixado de 72 euros para 68 euros... Sim... tinha baixado em euros (que é a nossa moeda) e como tal, com os mesmos euros, trocávamos por dólares e acabávamos comprando mais petróleo com menos euros... COMO PUDERAM SUBIR O PREÇO da gasolina e do gasóleo? A resposta é simples: teremos de agradecer a um certo tipo de jornalistas incompetentes e alarmistas (como muitas vezes assistimos no programa "Prós e Contras"), aos especuladores oportunistas que com a sua análise "absurda e enviesada" acabam por justificar socialmente subidas inaceitáveis dos preços de produtos conexos com o petróleo (quando, na realidade, o petróleo estava a ficar mais barato para os europeus: o dólar é que se estava a desvalorizar...) e
aos governos que por interesses (vá-se lá saber de quem..:!) permitiram que esta mentira. continuasse a ser difundida.. A verdade é que o dólar estava a desvalorizar-se de dia para dia. Mas isso é um problema dos americanos... Quando desvalorizava o escudo, pagavam os portugueses... Agora desvaloriza o dólar e pagam os europeus? Que paguem os americanos... Foi a sua moeda que se desvalorizou... Por que motivos temos de ser nós a pagar a crise americana?

Agora, preparem-se. Em pouco tempo, a América voltará a ser uma potência porque os europeus nem se importam de destruir a sua economia para lhes dar esse prémio...  É incompreensível. Viola todas as leis da economia... Como é possível que, ainda hoje, estando o barril de petróleo mais barato do que em 2000 (para nós, europeus) se continue a pagar a gasolina e o gasóleo muito mais caros que em 2000?...
Vejam que, em Maio de 2009, o barril de petróleo custa 58 dólares. Chegou mesmo a atingir cerca de 140 dólares... mas em euros, NUNCA SUBIU... Os europeus compraram o petróleo em dólares mas levavam os mesmos euros para trazerem mais petróleo... A quem querem enganar' O dólar é que tinha caído para valores que nunca tinha atingido... Porque n
ão baixam o preço do gasóleo e da gasolina em igual proporcionalidade ao que subiu? Simples: andam a roubar-nos... literalmente! 

 

Que podemos fazer, enquanto cidadãos para inverter a tendência da nossa economia se o governo está sem rumo? Quase nada... Apenas algumas coisas de pequeno porte mas que podem fazer a diferença quando toca a criar ou destruir emprego em Portugal.

 

Quando compramos produtos importados, estamos a contribuir para um maior crescimento das exportações dos fabricantes estrangeiros e, sem dúvida, por vezes, a fazer diminuir os postos de trabalho no nosso país. Quando não compramos produtos nacionais e compramos artigos estrangeiros, os nossos fabricantes são obrigados a subir o preço dos seus produtos para compensar as quebras de produção. Ora se os produtos concorrentes já eram mais baratos na origem, isto faz com que os nossos fiquem ainda mais caros. E sendo mais caros, ninguém os compra. Toda esta situação leva posteriormente ao encerramento de muitas empresas e consequentemente ao crescimento do desemprego.

Produtos portugueses? E Como é que eu sei quais eles são?
É simples, bastante simples. Antes de mais, existem dois aspectos a distinguir: existem marcas portuguesas e produtos portugueses.

Marcas portuguesas, como o nome indica, são marcas de carácter nacional, com origem e produção no nosso país (exemplos: Sumol, Compal, Mimosa, Primavera Software). Mas também são produtos fabricados em Portugal por marcas multinacionais que são produtos feitos com mão de obra nacional, que contribuem para o nossa economia e para o emprego no nosso país. Assim, na hora de escolher, como é que devo agir? Que atitude devo adoptar?
Bem, na hora de escolher, é bastante fácil tomar uma atitude que beneficie a nossa economia. O segredo está em ter atenção ao 
código de barras. Mas pode também  confirmar na embalagem a origem do produto.  Quase todos os produtos portugueses começam por 560 no código de barras. Assim, se começa por 560........ é um produto que contribui para melhorar a economia nacional.

Posteriormente poderá ter em conta se a marca é nacional ou não e, claro, a qualidade e preço do produto.

 

       


 

Atenção: existem algumas empresas portuguesas (produtos portugueses) que possuem códigos de barras proprietários, o que significa que são produtos portugueses que não têm o código 560, no entanto os códigos proprietários "costumam" ter um formato diferente (não têm 13 dígitos), existe também o caso dos produtos de peso e quantidade variável, por isso informe-se sempre antes comprar.

 

Para uma total garantia de que seja um produto nacional verifique sempre na embalagem ou na informação do produto, o local de fabrico ou de origem.


Que esperamos para defender a economia Portuguesa? Que os Ministros decidam cobrar menos impostos sobre os nossos produtos do que a Espanha. Hoje, tal como as notícias o revelam, a maioria dos espanhóis vem a Portugal de passeio e... nada leva. Por que será? Claro. Tudo aqui é mais caro... E ganhamos muito menos...! Por culpa de quem? A resposta parece óbvia:

Culpa de quem nos governa ou melhor, nos tem (des) governado.

publicado por J.Ferreira às 14:21

link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Em Nome do DESACORDO Orto...

. Sucesso Escolar versus Co...

. António Costa e a Queda d...

. O Regresso dos Rankings e...

. Nas Tintas Para a Opinião...

. PAIS de ONTEM na escola d...

. O Milagre das Escolas Pri...

. Os Donos do Sol

. Políticos Vivem Acima das...

. Direito à Habitação versu...

.arquivos

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds