Domingo, 27 de Julho de 2014

As Provas da Inutilidade (do Ministro, claro!)

 

Se o exame dos professores é uma inutilidade... o exame dos alunos do 4º ano é também inútil. Pobres crianças, do tamanho do chão, a serem submetidas a provas, muitas vezes longe das suas escolas de origem, em ambiente totalmente estranho, com professores desconhecidos... tratadas como se fossem pequenos adultos, homens pequenos e mulheres pequenas. Ora, uma criança não é um homem ou uma mulher em miniatura. Parece faltar ao Ministro da Educação (essencialmente científico!!!) um pouco de conhecimento de psicologia e pedagogia! A escola não deveria ter como objectivo treinar humanos para responder a exames. Antes, a escola deveria (voltar a) ser o local mais indicado para que as crianças e jovens desenvolvam ao máximo as suas capacidades. Interessa que sejam capazes de desenvolver as suas competências nas áreas que o futuro lhes exigirá para superar as dificuldades da vida. Em situação de exame, é natural que o grau de ansiedade interfira com os resultados. Por isso, a pergunta acaba por ser sempre a mesma: O que medem os exames

Parece-nos quea a visão do actual Ministro da Educação face à forma como deve ser validado o conhecimento dos alunos (provesso de avaliação) está redondamente inquinada. Usar o exame como meio de medir o que quer que seja é um erro, uma inutilidade! Aliás, basta ver as notícias para perceber que assim é. Alunos que aprovam num exame estavam aprovados ao longo do ano. Raros são os que, tendo reprovado durante a avaliação que é feita pelos professores, acabam por superar e aprovar no exame.

As aulas de recuperação no final do ano, em apenas umas semaninhas (depois dos alunos estarem já cansados de todo um ano lectivo) vêm demonstrar que o exame é uma fantochada. Das duas uma, ou o primeiro exame nada mede e o segundo já mede alguma coisa ou então, umas aulinhas no final do ano (depois do aluno se ter demonstrado incapaz de aprovar) teriam um efeito miraculoso que mais valeria andar todo o ano a brincar e dedicar-se num mesito para aprovar...! Realmente, se as aulas de recuperação servissem para os alunos, reprovados ao longo de todo o ano e nos três trimestres, aprovarem submetendo-se apenas a uma única prova... quem poderia acreditar nas notas atribuídas pelos professores?

Os resultados dos exames provam que Apoio extra para alunos fracos a Matemática e Português "é um engodo". Foram muito poucos os alunos que aprovaram na prova que nada mede (prova do 4º ano). Falta, pois, quem venha explicar para que servem estas provas? Que os jornalistas investiguem (mas a sério)!

Há alunos que tiveram nota 1 (no primeiro período) nota 2 (no segundo período) e nota 4 (no terceiro). Estes, foram a exame e, independentemente da nota do exame, foram aprovados...

Outros, com melhor classificação... reprovaram porque tiveram nota 2 (no primeiro), nota 2 no segundo e nota 3 no terceiro... Foram a exame, e mesmo conseguindo mais de 40% reprovaram!

É esta a nossa forma de avaliar...??? Enfim... Uma fantochada!

 

 

 

publicado por J.Ferreira às 17:34

link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 22 de Julho de 2014

Venha a PORRA para os Deputados

Depois de termos assistido, nos últimos anos (quase uma década) à tentativa de denegrir a competência dos professores por parte dos nossos parlamentares que aprovam (ou autorizam) que o governo insulte sistemática (diria, estrategicamente) a competência dos professores universitários (os únicos que aprovam e atribuem licenciaturas em ensino aos professores das escolas portuguesas) sem que se faça notar a sua indignação, eis que, numa rede social, aparece  uma deputada a "meter o pé na poça" escrevendo com erros ortográficos.

 

E, contrariamente ao que refere a notícia — "Observando com atenção é possível perceber que Catarina Marcelino escreveu “tulero” ao invés de “tolero”, “sensura” ao invés de “censura” e “bloquiarei” ao invés de “bloquearei”." — não é necessário estar muito atento pois os ERROS são ABUNDANTES... e CHOCANTES.

 

Ora, quando uma deputada escreve com tão vergonhosos "erros ortográficos" a única medida que o governo deveria tomar, de imediato, era a criação de uma PAP para se aceder ao Parlamento... Ou seja, para quando uma Prova de Aptidão Parlamentar? 

Será que não merecemos mais competência àqueles que ocupam lugares em órgãos de responsabilidade do Estado? Devermos continuar a admitir a que acedam a cargos deste calibre, pessoas com tamanha incapacidade ou ignorância?

 

Enfim... E que faz o Senhor Ministro da Educação, Nuno Crato...? Um ministro que tanto insiste em examinar os professores (que já foram examinados... !!!) de que está à espera para propor aos seus pares do governo que seja criada e aplicada uma Prova de Aptidão Parlamentar??? Vamos! Coragem, senhor Ministro. Já agora, uma ajudinha... Por que não chamar à dita prova de "Prova Ortográfica da Recuperação com Reforço de Aulas.  E, seria até interessante ver como reagiriam os seus "pares" (políticos) quando soubessem que, para serem parlamentares (ou até governantes) se teriam de submeter à sentença da dita PORRA.

E, já agora, mais interessante seria que a PORRA fosse aplicada a todos os candidatos a qualquer Órgão de Soberania de Portugal  (com menos de 5 anos de exercício)...

Afinal, nada de extraordinário aqui é proposto... E, parafraseando o que foi afirmado por responsáveis governamentais sobre os professores, perguntaríamos: "que político tem medo de se submeter à PORRA!

 

Ai não o querem fazer porque seria desprestigiante para os nossos parlamentares porque também eles (como os professores...!!)  já deram provas nas escolas??? Ai sim!???  Ora... PORRA! vejam então como podería ser APROVADO um deputado Nuno Magalhães Deputado CDS: "Entre Vitimas e Criminosos Estamos do Lado dos Criminosos". Esta afirmação é uma autêntica aberração...!!! 

 

 

 

Aqui, escrevemos em desacordo ortográfico... Deliberadamente!

 

 

 

publicado por J.Ferreira às 00:28

link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 21 de Julho de 2014

Uma Educação Tipo Catavento

Santana Castilho (no seu texto "O mercado municipal") tocou uma vez mais na ferida... E, o quer espera este país... já em nada nos surpreende.

 

"A municipalização da educação está a ensaiar os primeiros passos em contexto estratégico favorável, prudentemente escolhido" (...)"

"Há um fio condutor para esta proposta, qual seja o de impor à Educação nacional o modelo de mercado, agora de mercado municipal. Trata-se de transformar o acto educativo em produto de complexidade idêntica à rotunda ou à piscina municipal. Quer-se apresentar a Educação como um simples serviço, circunscrito a objectivos utilitários e instrumentais, regulado prioritariamente por normas de eficiência. Querem exemplo mais escabroso que o convite para que as câmaras cortem professores, até ao limite máximo de 5% do número considerado necessário, a troco de 12.500 euros por docente abatido?" (texto integral aqui)

 

De facto, cada vez mais se assiste a uma caminhada (cega... mas de uma cegueira surda) em direcção ao abismo. A Educação em Portugal caminha para o abismo como os ratos do Flautista de Hamelin caminhavam para o rio... E o povo que deve conhecer bem este conto, deveria estar mais prevenido contra estes encantadores de serpentes.

 

Depois dos políticos decidirem sobre a língua de Camões (insultando-a!) com o acordo Ortográfico, chegou a vez de colocarem nas mãos de um certo grupo de políticos - esses tais que se auto-intitulam de cidadãos eleitos (quantas vezes!!!) para (des)governar a polis ... o que é bem diferente de "competentes" - o destino educativo de uma ou mais gerações. Que triste! os que deveriam governar a Educaçãod e um país deveriam ser aqueles que a ela se dedicam a tempo inteiro e não uns paraquedistas que, de opinião em opinião (tal como os papagaios que, de palavrinha em palavrinha, lá vão encantando a população!) conseguem chegar à cadeitra da decisão (ministro!).

 

 

publicado por J.Ferreira às 18:07

link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Em Nome do DESACORDO Orto...

. Sucesso Escolar versus Co...

. António Costa e a Queda d...

. O Regresso dos Rankings e...

. Nas Tintas Para a Opinião...

. PAIS de ONTEM na escola d...

. O Milagre das Escolas Pri...

. Os Donos do Sol

. Políticos Vivem Acima das...

. Direito à Habitação versu...

.arquivos

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds