Sábado, 20 de Novembro de 2010

Cada Cavadela... Cada Minhoca!

Acabamos de ler uma notícia em "O Público" que nos parece hilariante. De facto, em determinadas mentalidades até poderia funcionar. Mas que em Portugal isto é impossível, lá isso também não nos restam dúvidas. Sobretudo quando nos encontramos numa fase em que, após anos consecutivos, a efectuar cortes no Orçamento da Educação, a atacar uma das classes profissionais que mais se dedica à formação dos jovens... Num período em que  se insiste em efectuar tremendos cortes financeiros nos mais diversos ramos do Sistema de Ensino, mais absurdo é pensar em medidas que podem levar ao descalabro do sistema educativo.

Quanto a nós, a ideia dos pais poderem escolher as escolas dos filhos só tem um único objectivo: preparar a mentalidade dos portugueses para que se habituem à ideia de que devem, com o “cheque-ensino”, participar na formação dos que têm os filhos a estudar no ensino privado (leia-se, políticos, governantes, empresários, etc. etc., numa palavra, os mais ricos e poderosos).

Se se pretende dar algo de importante aos portugueses é manter-lhes os salários. Isto de cortar por um lado apra depois dar metade por outro é uma treta de uma propaganda eleitoral que só serve a quem anda a dormir. Muito melhor do que dar um “cheque-ensino” para os portugueses poderem colocar os filhos numa ou noutra escola, é cobrar-lhes menos impostos! Com um salário mais condigno dentro de uma União Europeia que se pretendia "dos cidadãos", há que permitir uma vida com dignidade a todos. Isso da igualdade de cheque é uma grande treta... Por isso, demonstraremos (mais abaixo) como poderiam alguns portugueses do interior aceder a algumas das escolas ditas de excelência. Este conceito, erroneamente associado ao ensino  privado, é uma ilusão para os que pensam que assim teriam acesso a escolas de qualidade. Ora, meus caros, deixem que se matriculem nestas escolas privadas aqueles alunos especiais (a quem Sarkozy chamou de "racaille", isto é, escumalha!) e depressa veremos onde estão as ditas escolas cimeiras do ranking. Sim... Basta que as regras sejam iguais às das escolas públicas onde todos têm autoridade menos os professores. Onde a todos  é reconhecido o direito a perceber de educação, menos aos professores! Sim. Onde todos têm parecer "vinculativo" (porque são democraticamente eleitos e, dessa forma democrática, adquiriram também competência pedagógica e por isso mesmo, devem ter assento no Conselho Pedagógico!)... Eles são os empresários da área, as "forças vivas" da região, e até o nobre e honrado Presidente da Junta (mesmo que seja analfabeto ou que tenha efectuado tramóias suficientes para perder o mandato!

Enfim... Uma grande treta. Já não basta a trama legislativa que rege as escolas ser uma grande pântano quanto mais ainda colocar esta questão em cima da mesa numa fase de contenção e de redução orçamental. As escola portuguesas são, hoje, uma amálgama de intervenientes que ficaram "sem rei nem roque".

Eu até acho bem poder escolher eu a escola que melhor me parece ser capaz de educar o seu filhinho! A ideia até é interessante. O que não me parece é nada viável.

Logo, os pais que nunca se preocuparam com estas questão passaram agora a preocupar-se. Por que será? Será que repentinamente o governo (que acaba de cortar o abono de família!) se vai preocupar com a educação dos filhos dos portugueses? Nem pensar. Eles preocupam-se, isso sim, em ver onde podem cortar no orçamento da educação. Quanto mais cortarem, mais sobrará para fazer mais uma nomeação com um salário chorudo para um amigo... Quem sabe, até vão ter de criar mais um Instituto para passar os cheques ensino... Isso... O Instituto do Cheque-ensino, para onde cada partido que governe poderá nomear mais um amigo, com mais um ordenado chorudo (aí uns 240.000 euros/mês, mais ajudas de custo, etc. etc.  como tantos outros nomeados pelo poder neste Portugal vergonhoso que só nos sugam o sangue!).

Incrível... Uma preocupação que a ninguém preocupa.

Ora, com o cheque-ensino, veríamos a proliferar as escolas privadas por esse país abaixo. Quem sabe se não seriam reactivadas algumas do interior que este governo fez questão de encerrar... Com o cheque-ensino, os portugueses poderiam escolher o ensino público ou privado. Mas asseguro-vos de que, se até agora muitos gostariam de colocar os filhos no privado (como os senhores deputados e governantes, certamente) onde a ralé esteja afastada porque não tem dinheiro para ali entrar... em breve veríamos muitos alunos das privadas a querer fugir de novo para as públicas. Só que já seria tarde pois o Estado já tinha fechado as portas... E aí, cortava-se o cheque-ensino (tal como em Espanha, os seus homólogos socialistas que inventaram o cheque-bebé acabaram cortando-o e pobres daqueles que apostaram em mais um filho porque estavam a contar com a ajuda socialista. Ora, saiu-lhes o tiro pela culatra. Nem nove meses o governo socialista de Zapatero deu aos espanhóis que decidiram acreditar no "ovo do cu da galinha" socialista. Assim, ao retirar repentinamente a ajuda ao nascimento de bebés, seguramente que muitos espanhóis se sentiram traídos e enganados. No mínimo havia que dar um prazo dilatado entre 9 e 10 meses para que nenhum cidadão fosse enganado. Mas enganar é a arte dos socialistas... está visto! Não são só os portugueses que se sentem enganados pelos socialistas: os espanhóis também o foram! Perante estes factos, como pode haver alguém de bom senso (e no gozo perfeito do juízo!) acreditar nos socialistas?

Convenhamos que esta ideia é altamente ridícula num país que acaba de fechar as escolas (hospitais, maternidades,...) impedindo milhares de portugueses de colocar os seus filhos nas escolas que tinham ao pé de casa!

Se fosse viável e de igualdade. O que se passa é que esta ideia servirá os interesses dos senhores que têm já os seus filho, de livre e espontânea vontade, em escolas particulares (para não se misturarem com a ralé!)...

A ideia até parece ser fenomenal. Mas apenas servirá para os senhores que atrás referimos passarem a ir buscar ao Orçamento do comum dos Portugueses o dinheiro para terem os seus filhinhos numa escola privada pagando todos os contribuintes a formação dos filhos dos mais poderosos... Assim é que é. Ou será que há uma escola provada em todos os concelhos do país para que o “Sô Zé da Montanha” possa também escolher a escola para o seu filhinho? Ai não? Não há.. Claro... Que deixe a pastorícia ou que venha ordenhar as ovelhas cá para a cidade de Lisboa... Sim... Talvez haja erva pelos jardins e avenidas para aí colocar as ovelhinhas a pastar...!

Reiteramos a nossa convicção de que esta ideia é um absurdo, quando colocada perante a mentalidade de um povo que cala e consente que se lhe retirem serviços básicos de proximidade.

Num período em que os governos nem lhes deixam escolher ficar com a sua escola, num período em que se fecham escolas por todo o país, vêm estes iluminados dizer que os pais devem ter o direito de escolher a escola.

Isto implicaria um esforço financeiro e logístico incomportável. Porquê? Porque significa que as escolas teriam de ter capacidade (um número de salas e de professores suficientes) para albergar o total dos alunos que desejassem nela inscrever-se. E se a maioria dos habitantes de determinado concelho desejassem matricular os seus filhos numa mesma escola? Como procederiam os poder público? Construiria um número de salas suficiente para todos os alunos? E que se passaria no ano seguinte se os alunos desejassem mudar-se para outra escola?

Alguém duvida que, com a publicação do ranking, a maioria dos pais correria a matricular os seus filhinhos numa das escolas cimeiras. Ora, com a flutuação de matrículas, haveria que preparar as escolas para receberem até (eu sei lá!) 40.000 alunos.

Pelo exposto, das duas uma: Ou isto é para entreter os portugueses com discussões estéreis, ou os teóricos vivem afastados anos-luz da realidade portuguesa. Para nós, isto não passa de uma mera treta para entreter as pessoas a discutir o sexo dos anjos.

Nos últimos anos fecharam-se hospitais, fecharam-se escolas, e o povo nem teve a oportunidade de escolher as que existiam. E agora querem dar essa possibilidade? É hilariante. Cortaram-nos os serviços básicos fundamentais e agora vamos poder escolher a escola dos nossos filhos?

Inviável. Implicaria um enorme esforço financeiro (construção de mega-escolas) e o consequente encerramento das escolas que ficassem sem alunos. Portugal em crise e ainda há quem faça eco das baboseiras destes senhores? Uma autêntica pândega. A serem escolhidas segundo a vontade dos pais, teríamos algo parecido com o exemplo que vamos dar: num ano uma escola teria um acréscimo de 500 alunos pelo que seria necessário construir 20 salas de aula para os albergar! E se no ano seguinte a escola (recebendo toda a escumalha!) passa para baixo no ranking, nova corrida a mudar de escola! Uma palhaçada. Será que se iria construir mais 20 salas de aula para albergar as crianças. Utopia ou palhaçada? Enfim. Cada cavadela… cada minhoca!

publicado por J.Ferreira às 23:02

link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Em Nome do DESACORDO Orto...

. Sucesso Escolar versus Co...

. António Costa e a Queda d...

. O Regresso dos Rankings e...

. Nas Tintas Para a Opinião...

. PAIS de ONTEM na escola d...

. O Milagre das Escolas Pri...

. Os Donos do Sol

. Políticos Vivem Acima das...

. Direito à Habitação versu...

.arquivos

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds