Domingo, 27 de Março de 2011

Em Nome do DESACORDO Ortográfico - 1

Quando analisamos o acordo ortográfico (que, como tudo, tem também algumas vantagens) sentimos que os argumentos utilizados são, no mínimo, caricatos. Já há meses que tínhamos escrito um texto sobre este Acordo da Discórdia intitulando-o com uma questão: "Camões Assinaria o Acordo Ortográfico?". É, pois, incrível que se tenha alterado a escrita a que nos habituamos a defender enaltecendo, com orgulho, as raízes da nossa Língua. Afinal, parece que nos rendemos aos outros países lusofalantes que, querendo usar a nossa língua, querem subjugar a sua escrita a interesses simplistas e facilitistas, tendo como base o facto de que não fazem falta as letras que se não pronunciam...

Ora, se houvesse alguma coerência nestes argumentos nada do que segue se poderia ter mantido...

Assim, se fosse verdade o argumento utilizado (o de que as letras que se não lêem ou pronunciam devem ser eliminadas das palavras) perguntamos:

 

1. Por que é que se não muda o "d" para "dj" ou "ch" todas as palavras em que os brasileiros (que falam mais como os galegos que dizem "douche" ("dou-te") lêem e pronunciam "ch" ou "dj" em vez de "d"?

 

2. Por que é que não se elimina o "r" final do infinito dos verbos (e outras palavras terminadas em "r" como "professô", "doutô" etc.) já que os brasileiros não as pronunciam e dizem "você vai viajá (viajar) à Katá (Katar) pra vê (ver) a sua Chía (tia)?

Por que é que não se mantêm o trema nas palavras que tinham os brasileiros em que o u se lê como "frequente" (no Brasil escrevia-se freqüente) já que afinal, nesta (e muitas outras) se lê o "u" e em "quente", "apoquente" não se lê o "u". Ora, com os "olhinhos" em cima do "u" ficaríamos todos a ganhar (e facilitaria aos estrangeiros a compreensão da regra de que o u não se lê em conjuntos como "gue" ou "gui", "que" ou "qui" ?

 

3. Por que razão não mudamos todas as palavras que acabam em " L " para a letra " U " (incluindo o nome do país dos nossos irmãos do outro lado do Atlântico que se escreve Brasil mas que pronunciam "Brasiu")? Não acham que seria simplificar e uniformizar mais a língua falada com a língua escrita se acabássemos com todos os grupos consonânticos acabados em "L" (que passariam a terminar em "U") e assim simplificávamos mais uma catadupa de palavras, descaracterizando a origem do nosso idioma...? (Enfim, ironias...) E a "Rainha Santa Isabel" passaria a ser Rainha Santa "Isabéu"!... Não acham que seria giro?... Aliás, as palavras acabadas em "EL" teriam uma maior semelhança com a pronúncia de certas palavras do país vizinho ( O final do nome  "Isabel" passaria a pronunciar-se exactamente como o nome do estádio do Real Madrid "Santiago Barnabéu" o que nos ajudaria, já agora, a uniformizar a língua com o povo espanhol (leia-se com a língua castelhana!)... 

 

 

Fácil. Não acham? Ou, até não. Isto é, simplesmente, para desmontar rodo o discurso que dizem ter sido excluídas determinadas letras porque não se pronunciam... Logo, a uma autêntica palhaçada!

 

Ah... E já agora, as palavras acabadas em "az" deveriam mudar para "ais" pois dizem os brasileiros que o "rapais" (rapaz) não tem culpa...! Se os mandássemos todos rapar mato no monte, teríamos ganho muito mais do que colocar esta gente a inventar (des)acordos ortográficos, sem que o povo se tenha pronunciado... Foram exclusivamente os políticos que se meteram nesta bagunça...!

 

PS: Num país "sem rei nem roque" há alguém com sentido de responsabilidade que se propõe enfrentar o triste espectáculo em que políticos com licenciaturas duvidosas transformaram a Língua Portuguesa.

 Professor de Direito defende que Parlamento deve desvincular Portugal do Acordo Ortográfico anulando os efeitos legais deste acordo.

publicado por J.Ferreira às 19:28

link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Subsidio de Natal versus ...

. Falsidades no Bloco Centr...

. Em Nome do DESACORDO Orto...

. Sucesso Escolar versus Co...

. António Costa e a Queda d...

. O Regresso dos Rankings e...

. Nas Tintas Para a Opinião...

. PAIS de ONTEM na escola d...

. O Milagre das Escolas Pri...

. Os Donos do Sol

.arquivos

. Novembro 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds