Domingo, 10 de Abril de 2011

Trilhando Caminhos da Avaliação Docente

Que avaliação é Justa e Exequível?

Há que recomeçar a trilhar os caminhos. E a reflexão sobre o tema é um deles.

O Conselho Nacional da ANP, reunido no último fim-de-semana em Braga, tratou de reflectir sobre este assunto.

Aqui ficam, em resumo, o que recebi de um colega:

Conselho Nacional ANP reunido no dia 9 de Abril, em Braga aponta caminhos futuros para Educação: i) restaurar a confiança nos professores e nas escolas; ii) centrar as escolas no trabalho pedagógico; iii) construir um novo sistema de avaliação separando-o das eventuais implicações na carreira; iv) adopção de Lei de Autonomia do Ensino não superior; v) criação de entidade de auto-regulação da profissão docente.

Ora, depois de lidas estes importante contributo, algo gostaria de colocar uma questão crítica sobre um dos aspectos. Ora, se há avaliação, sem dúvida que dos resultados da Avaliação devem ter reflexos em medidas educativas. E, se as escolas são formadas por equipas pedagógicas, são as equipas que devem ser avaliadas... e não os docentes, um a um, como se da buscad e um bode expiatório se tratasse.  Se não há reflexos, todos nos cairão em cima (sobretudo os que sistematicamente nos perseguem como alguns dos meios de comunicação social) dizendo "isto não é avaliação!"
Por que defendemos isto? Vejamos: fala-se muito da necessidade de trabalho cooperativo nas escolas. Pois bem.
Um exemplo simples: Num clube de futebol (escola) ainda que haja um jogador (docente) seja "Excelente" se a equipa não consegue os pontos necessários para a permanência é todo o clube que desce de divisão.
Se a equipa é a primeira do campeonato, mesmo os jogadores que nunca jogaram, recebem a medalha de ouro.
Ora, se numa escola (equipa) consegue bons resultados (o que nada pode ser reduzido aos resultados dos alunos mas uma relação entre recursos físicos, tecnológicos, materiais e humanos disponíveis, etc.) o mérito é de todos.
Se os resultados (objectiva, ponderada e racionalmente) definidos ficam aquém do esperado deverá ser toda a equipa que deve ser penalizada não recebeno pontos. O que não pode é haver numa escola com péssimos resultados professores (5%) que tenham excelente e 25% com "Muito Bom" quando todos deveriam trabalhar par ao bem da comunidade educativa.
Será que devemos atribuir ao que provocou ou falhou a grande penalidade ou guarda-redes toda a responsabilidade de os resultados de uma equipa? E se há mérito de todos mas só há lugar para um "Excelente", quem fica com ele? O treinador (Director)?
Logo, dos resultados da avaliação da Escola — JAMAIS dos resultados dos alunos (cujo tempo de dedicação ao estudo e investimento material na educação depende unicamente do Estado e da família!) e NUNCA de um ou outro docente isolado (que não é responsable pelo nível socio-cultural e económico nem muito menos pelo tipod e família de origem dos seus alunos! — devem ser retiradas as devidas consequências, sobretudoe  principalmente, nas medidas a adoptar pelo Estado, seja na colocação dos melhores profissionais  mediante incentivos (de que, em meados da década de 90, enquanto destacado num Gabinete Ministerial, apresentei um estudo e uma proposta sobre o assunto.) em termos de Graduação Profissional (como sucede hoje em algunas comunidades de Espanha!) para efeitos de concurso (o que em nada interfere no orçamento da educação!).
Creio que se tem de recuperar (ou ressuscitar !) o meu trabalho das "Escolas Isoladas" (com um artigo relativo ao assunto publicado pela ANP na sua revista "O Docente") que previa incentivos em termos de concurso e remuneratórios em função da frequência das preferencias manifestadas pelos opositores aos lugares disponibilizados pelo Ministério.
Que melhor querem?

publicado por J.Ferreira às 22:26

link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Subsidio de Natal versus ...

. Falsidades no Bloco Centr...

. Em Nome do DESACORDO Orto...

. Sucesso Escolar versus Co...

. António Costa e a Queda d...

. O Regresso dos Rankings e...

. Nas Tintas Para a Opinião...

. PAIS de ONTEM na escola d...

. O Milagre das Escolas Pri...

. Os Donos do Sol

.arquivos

. Novembro 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds