Até que o Teclado se Rompa!
"O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons." (Martin Luther King)

31 Maio 2007

 

Esta Greve Geral levanta uma questão:

 

Será que a Democracia ainda funciona em Portugal?

Como se pode afirmar que sim quando não é reconhecido pelos governantes um direito essencial da democracia: O direito de manifestar-se pacificamente e como tal, de fazer greve?

Pode o governo tentar controlar os cidadãos que, mesmo com a implementação de medidas prepotentes, haverá sempre quem tenha a corqagem de não se calar... 

E, se para muito mais não serviu, a Greve Geral levada a cabo pelo país permitiu mostrar um Cartão Amarelo  a um Governo pela sua prepotência e tendência quase ditatorial, que não olhando a meios para atingir os fins, tentou amedrontar e intimidar os trabalhadores, desmobilizando-os o mais possível da defesa dos seus legítimos direitos. A provar esta realidade dura a CNPD (Comissão Nacional de Protecção de Dados), deu razão aos sindicatos em face de uma tentativa governamental de levar à prática medidas que fazem lembrar o status quo de outros tempos... Assim, o Governo foi obrigado a recuar na sua intenção de obrigar os organismos da sua dependência uma divulgar como nome dos trabalhadores grevistas. A pergunta é clara... Para quê? Qual o objectivo? Será que é necessário adiantar aqui um apossível resposta? Cremos que não!

     Com efeito, a CNPD chegou mesmo a classificar a decisão do governo como "procedimento discriminatório". Estamos seguros de que, se o partido que agora suporta o governo estivesse na oposição, ouviríamos sair da boca de muitos socialistas  palavras a classificar esta atitude como "fascizante". Porém, temos quase como certo que, se o Partido Socialista estivesse na Oposiçãonenhum outro partido de direita teria a ousadia de levar esta ideia por diante... Porquê? A resposta é tão óbvia quanto simples... É que "levaria" imediatamente com a Esquerda toda em cima... Agora... Diz-se que não há memória de um governo, nem mesmo de direita, que tenha dado "tanto na cabeça" aos trabalhadores e piorado as suas condições de vida" como o actual...

É pois legítimo perguntar:

Como é possível que tendo Portugal "um governo de esquerda", num momento em que o país atravessa uma crise grave, as suas políticas continuem a permitir que os ricos fiquem cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres? Que os lucros das grandes empresas continuem a aumentar vertiginosamente sem que sejam obrigadas a pagar uma boa parte desses lucros quando dizem que a Segurança Social está quase na falência...?

É claro que a direita agradece e fica caladinha e sossegada, e espera pelo dia em que volte a governar o país... Só quando voltar à oposição, a esquerda voltará, de facto, a ser esquerda ...

Nessa altura, lá estará a direita para avivar a memória destes e doutros Socialistas sobre as medidas com pendor tendencialmente "fascizante" que empreenderam contra os trabalhadores, quando estavam à frente dos destinos do país...

Tristemente, a acção destes governantes quase nos leva a concluir que a chegada ao poder do Partido Socialista veio demonstrar, com propriedade, que há determinadas forças (de esquerda) que devem existir em todas as democracias, mas que têm tão-somente vocação para serem Oposição. Esta Esquerda que governa Portugal (Partido Socialista!) tem desiludido e desencantado uma grande maioria dos cidadãos democratas que na esquerda acreditavam... O facto da Greve Geral ter uma maioria de apoiantes afectos ao Partido Socialista demonstra isso mesmo... O desencanto que vai neste país...

Por isso, afirmamos que só com esta esquerda na Oposição, os trabalhadores têm ao seu dispor um partido que os defenda!

Assim, seremos forçados a concluir  que este Partido Socialista é uma força partidária que se diz de esquerda mas que está vocacionada, não para governar porque "desgoverna" e cria o caos, mas antes, para servir de "fiel e balança" quando os governos de direita governam o país...

 

Esperamos que para bem de todos nós, o povo PORTUGUÊS não tenha memória curta, e que nas próximas eleições legislativas (e por que não já nas autárquicas em Lisboa onde existem tantos candidatos, inclusive, independentes...) lhes saibamos apontar o lugar que verdadeiramente merecem no Parlamento Português: A BANCADA da OPOSIÇÃO.

Aos trabalhadores deste país, aos cidadãos verdadeiramente democratas que se dizem defensores da solidariedade social e da responsabilidade de cada um perante todos, temos a dizer:

Fiquem todos calados... Não tomem nenhuma atitude.

Esperem para ver... e recordar-se-ão destas palavras!

 

Ou então...

Gritem, alto e bom som,

com energia e convicção:

" BASTA  ! "

 ,,,

publicado por J.Ferreira às 14:15

31 Maio 2007

Alguém nos anda, certamente, a enganar !...

Como querem que Portugal seja levado a sério?

É que, das duas uma: ou Mentem os Sindicatos... ou Mente o Governo !... Afinal, quem precisará de voltar para a Escola? Os Sindicalistas ou os  Governantes?

É que parece que há entre eles quem não deve ter aprendido a fazer bem contas... O que não admira, depois daquela história em que António Guterres não conseguiu calcular a "quantos contos" correspondia 3% do PIB (!...) é de acreditar que ainda haja mais gente a ocupar cargos de muita responsabilidade (seja na política partidária, seja na governação do país ou na área sindical) que não sabe fazer contas...

Ou será que pretendem agora alterar as regras da lógica Matemática?

Uma coisa não pode "SER"  e  "NÃO SER" ao mesmo tempo..."

 

Vejamos o que diz a Comunicação Social sobre a Greve Geral:

CGTP - "A CGTP-IN saúda os trabalhadores portugueses, particularmente aqueles que, com muita coragem, determinação e sacrifícios pessoais, para si e para as suas famílias, exerceram o inalienável direito à greve, mesmo quando confrontados com a proibição de plenários de trabalhadores, recolha ilegal de dados pessoais, ameaças de processos disciplinares ou com o recurso à GNR para dificultar o exercício dos piquetes".

 

TvNet  - "Greve geral Balanço da manhã só mostra paralisação total no Metro de Lisboa e na Transtejo A greve geral de hoje está a ter uma adesão média global de 80 por cento na função pública, o que levou ao encerramento de escolas, centros de saúde, tribunais e serviços autárquicos um pouco por todo o país, divulgaram os sindicatos que marcaram a paralisação.

TvNet - "Governo: adesão à greve na administração pública nos 12%. O Governo fala de uma greve parcial e não de uma greve geral. O Ministro das Finanças garante que, no que toca à administração pública, a adesão ficou nos 12%." 
 

TvNet - "Greve geral: os números da CGTP. O Metropolitano e as ligações fluviais entre as margens do Tejo estão condicionados devido à greve geral. Os outros transportes a operar na região de Lisboa estão a funcionar quase na normalidade. A circulação do Metro de Lisboa está totalmente parada com as próprias estações de acesso fechadas. As ligações fluviais entre as duas margens do Tejo também estão paradas, com excepção de duas viagens de ida e volta entre o Barreiro e o Terreiro do Paço a cargo da Soflusa. As ligações da Transtejo estão todas suspensas. Com circulação quase normal estiveram até às oito os transportes da Carris - eléctricos e autocarros - e os comboios.(...)
Acrescenta ainda a  jornalista que "80% dos trabalhadores da saúde aderiram à greve."

Ouvindo toda a notícia ficamos a saber que o estudo realizado permite concluir que "A maioria dos que apoiam a greve são originários do Porto, têm entre os 35 e os 54 anos e são afectos ao Partido Socialista. "

Perante isto, algumas questões se tornam pertinentes:

Qual é afinal o apoio de Sócrates e do seu Governo?

Por que são da ala socialista os que mais apoiam a greve (80% dos inquiridos)? Por que é que a maioria dos apoiantes da greve não são os trabalhadores afectos a outras forças partidárias?

A resposta parece ser "o medo". E o facto é que tal se passou com muitos trabalhadores, nomeadamente docentes que afirmavam sentirem-se "forçados a não fazerem greve". Isto porque teriam à mesma de corrigir as dezenas de provas de exame que lhes foram distribuídas e que têm prazos de entrega a cumprir...

 

 Apesar de tudo, há que ter em conta que esta vergonha da discrepância de numeros se deve a uma operação de desvalorização da força dos trabalhadores por parte do govero. Ela não se deve ao Partido Socialista mas a um cancro de que enferma a democracia, ou melhor, este tipo de democracia em que os eleitos não são responsabilizados pelos eleitores. E emesmo que  numa dado ano sejam "postos na rua" pelos eleitores, voltam uns anos mais tarde, como se as pessoas fossem recicláveis... Com efeito, poderíamos, até, acreditar na "reciclagem humana" mas nunca na reciclagem dos políticos... Mas seguramente que acreditamos na reciclagem das ideias defendidas pelos políticos que, adeptos de uma demagogia inabalável, dificilmente mantêm o discurso quando estão no poder ou na oposição...! Por isso as medidas prometidas são sempre divergentes das tomadas quando passam da oposição para o governo. Afinal, o objectivo mais do que resolver os problemas do país, é resolver os problemas de uns quantos que pertencem à mesma família partidária... Ou já nos esquecemos da célebre expressão "jobs for the boys" ?

E porque a discrepância e discordância dos números nos aflige, sinceramente, porque ficamos sempre sem saber onde está a verdade, e sabendo da preocupação constante do Primeiro-Ministro José Sócrates pela excelência e a sua fixação na avaliação das competências de todos, deixamos aqui uma dica para reflexão:

 

Por que é que José Sócrates não apresenta no Parlamento, e com carácter de urgência,  uma lei que obrigue a uma "Avaliação das Competências e do Desempenho" de todos os responsáveis que dirigem os mais diversos pelouros da Administração, incluindo Ministros, fazendo-os voltar à Escola ou à Universidade (conforme os casos) para que alcancem com mérito, a terceira das mais básicas e elementares competência que se exigem às crianças que frequentam a escola e que nesta altura decidiu examinar: saber ler, escrever e contar!

 

Ou será que, considerando-se os melhores dos melhores (têm todos uma competência deslumbrante...) mas, de facto, aqueles que querem avaiar tudo e todos, têm medo de submeter a exames ?...

...

 

publicado por J.Ferreira às 00:35

pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26



mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

7 seguidores

subscrever feeds
blogs SAPO