Até que o Teclado se Rompa!
"O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons." (Martin Luther King)

05 Setembro 2007

[Error: Irreparable invalid markup ('<embed [...] ">') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<p><embed height="319" width="503" type="application/x-shockwave-flash" wmode="transparent" src="http://www.youtube.com/v/22OV3By0HQo&hl=pt-br&fs=1&""></embed></p> <p><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><o:p><font size="4" face="Times New Roman" color="#ff00ff"><strong>Educação em Portugal - Que Futuro ?</strong></font></o:p></span></p> <p> </p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><o:p></o:p></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><font face="Times New Roman"><strong style=""><span lang="GL" style="font-size: 13pt;">Se... o objectivo do</span></strong><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"> <strong style="">sistema de</strong> <strong style="">recrutamento de docentes por 3 anos era</strong>, como a Ministra da Educação não se cansou de vender aos portugueses repetindo-o aos microfones da televisão, <strong style="">implementar uma verdadeira estabilidade do corpo docente</strong>, referindo que &ldquo;com o novo sistema de concursos os pais ficariam a saber a cada ano qual seria o professor no ano seguinte&rdquo; <strong style="">então... o governo mentiu aos portugueses</strong>.<o:p></o:p></span></font></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><o:p> </o:p></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Num documento intitulado &ldquo;<strong style="">Concursos de Docentes Manchados pela Precariedade e por Injustiças</strong>&rdquo; a FNE (Federação Nacional dos Sindicatos da Educação) denuncia a situação e falta de estabilidadde que havia sido prometida pelos actuais governantes.<o:p></o:p></font></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Foram divulgadas <strong style="">na noite de do dia 31 de Agosto</strong>, as últimas listas de colocação de docentes antes da abertura do ano lectivo. Alguns milhares de docentes ficaram a conhecer em que escola vão trabalhar no próximo ano lectivo...<o:p></o:p></font></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Segundo os dirigentes da FNE<span style="">  </span>&ldquo;<strong style="">estas colocações ficam manchadas por sinais poderosos de precariedade e de injustiças, mantendo-se uma instabilidade que sempre procurámos combater e que continua por resolver, ano após ano</strong>&rdquo;, acrescentando que &ldquo;<strong style="">a estabilidade hoje apregoada pelo Ministério da Educação funda-se na colocação forçada de docentes por períodos de três anos</strong>&rdquo; considerando que &ldquo;esta é uma <strong style="">falsa estabilidade</strong>, porque <strong style="">este Ministério da Educação também não foi capaz de determinar com segurança o número de docentes que em cada escola deve ser colocado com carácter definitivo para que esta funcione regularmente</strong>&rdquo;. Assim, refere o comunicado da FNE, &ldquo;<strong style="">continua a haver em cada escola um conjunto de professores definitivamente colocados e um outro conjunto de professores flutuantes</strong>&rdquo;.<o:p></o:p></font></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><strong style=""><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Assim, mudam os governos... continuam as desgraças... E tudo continua na mesma...<o:p></o:p></font></span></strong></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Sem dúvida que damos aqui também razão à FNE quando refere &ldquo;<strong style="">se aquele apuramento de necessidades fosse feito com rigor, não haveria lugar a estas flutuações, a estas instabilidades e insegurança</strong>&rdquo;. É óbvio que o sistema pode ser modificado milhares de vezes que, enquanto não houver verdade da parte dos políticos, as escolas terão professores cada vez mais desmotivados, contrariados, revoltados por serem <strong style="">obrigados a permanecer</strong> <strong style="">em escolas distantes quando outras mais próximas são atribuídas a seus pares com muito menos tempo de serviço e mais baixa graduação profissional</strong>. <o:p></o:p></font></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Os defeitos que podem ser atribuídos às escolas no que se refere ao Sucesso Educativo tem vindo a ser endossado pelos governantes, sucessiva e repetidamente aos professores. É necessário um bode expiatório... e o governo aponta-o. Mudam os Ministros, mudam as políticas e tudo vai ficando mais ou menos mal... como antes!<o:p></o:p></font></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Onde estará o erro? Nos outros países, como a vizinha Espanha, há um índice mais elevado de sucesso escolar que em Portugal? Não! Então qual será a diferença? Claro: Apenas tiveram 4 ou 5 governos após a Democracia... E os portugueses? Rumam para todos os pontos cardeais à procura do Norte, mercê da (in)coerência dos princípios governativos, (in)competência dos timoneiros...!<o:p></o:p></font></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Que mais se poderá dizer? Culpar os professores? Nem pensar. Apenas executam as orientações dos chefes... governantes. Depois, é o que se sabe e o que se vê: uma desgraça!<o:p></o:p></font></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Como refere a FNE, as &ldquo;colocações feitas em desrespeito pelas listas de graduação dos candidatos&rdquo; pois há docentes, &ldquo;<strong style="">colocados no ano passado</strong> (...) <strong style="">que continuarão a ocupar posições que deveriam pertencer a outros com graduação profissional superior e que já foram prejudicados no ano passado</strong>&rdquo;.<o:p></o:p></font></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Acresce a denúncia de situações em que existem &ldquo;<strong style="">colocações feitas por convite dos serviços regionais do Ministério da Educação</strong>, <strong style="">nomeadamente na área dos apoios educativos, e ao arrepio de qualquer mecânica de concursos</strong>&rdquo;.<o:p></o:p></font></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><o:p><font face="Times New Roman"> </font></o:p></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Mas este também é o <strong style="">concurso da precariedade e do desemprego</strong>. Milhares de licenciados, portadores de habilitação profissional, e muitos com experiência no sistema educativo, entram no número de desempregados que em Portugal é hoje extremamente preocupante, e particularmente entre os detentores de mais altas qualificações académicas. <strong style="">Para a FNE, &ldquo;estamos em presença de um claro e inaceitável desperdício de recursos humanos</strong>: muitos destes <strong style="">docentes poderiam</strong> e deveriam <strong style="">ser utilizados</strong> nas escolas, <strong style="">em programas de promoção do sucesso educativo</strong>, ...&rdquo;<o:p></o:p></font></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><o:p><font face="Times New Roman"> </font></o:p></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Finalmente, A FNE denuncia o &ldquo;<strong style="">encurtamento do prazo de preparação das pessoas para se organizarem com vista à apresentação nas escolas&rdquo;</strong> colocados <strong style="">a centenas de quilómetros das suas residências</strong> pois os resultados que deveriam legalmente ser conhecidos às 00h00 de 6ª feira, só foram disponibilizados ao princípio da noite, <strong style="">perdendo-se</strong> desse modo todo <strong style="">um dia de preparação das famílias</strong>.<o:p></o:p></font></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><o:p><font face="Times New Roman"> </font></o:p></span></p> <p><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman"> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"> </p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"> </p> </font></span></p><p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Num Estado de Direito Democrático, podermos aceitar que os governantes possam assim &ldquo;dispor das vidas&rdquo; dos seus súbditos exigindo que em 48 horas, façam as malas e se apresentem num outro extremo do país, sem transporte, alojamento, nem nenhuma outra garantia nem subsídio? Será que uma outra qualquer empresa pode determinar assim tão facil e levianamente a vida dos seus funcionários? E dizem que somos uns privilegiados... nós, os funcionários públicos? Ou seremos os últimos escravos da humanidade? Que estabilidade... a cada ano num canto diferente do país?... Já nem os ciganos aceitariam que brincassem assim com as suas vidas, com o seu futuro...<o:p></o:p></font></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><o:p><font face="Times New Roman"> </font></o:p></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Como professor, mas sobretudo como cidadão, creio ter o direito de questionar: <o:p></o:p></font></span></p> <p style="margin: 0cm 0cm 0pt; text-align: justify;" class="MsoNormal"><strong style=""><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><font face="Times New Roman">Com que lealdade age o Ministério da Educação para com os seus súbditos?</font></span></strong></p> <p> </p> <p> </p> <p><span lang="GL" style="font-size: 13pt;"><o:p></o:p></span></p> <p> </p><p><param value="http://www.youtube.com/v/0CBdGs9kGnA" name="movie" /> <param value="transparent" name="wmode" /></p><embed height="315" width="383" wmode="transparent" type="application/x-shockwave-flash" src="http://www.youtube.com/v/0CBdGs9kGnA"></embed><p> </p>
publicado por J.Ferreira às 10:28

pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Setembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

7 seguidores

subscrever feeds
blogs SAPO