Até que o Teclado se Rompa!
"O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons." (Martin Luther King)

20 Junho 2013

A economia do país afunda-se... Porque há muita gente interessada.

E essa muita gente tem pouquíssima diversidade familiar. Os banqueiros dominam a fonte e a raís de todo o problema.

Por isso, Zeca Afonso, em "Os vampiros", cantava "Eles comem tudo! Eles comem tudo!" 


Sem dúvida que este jornalista tem colocado, já desde Sócrates, o dedo na ferida da política financeira à moda portuguesa.

Mas nadas e faz... Desde as PPP's até à banca, ele aponta caminhos... Mas que acabam  nomeados como Secretários de Estado... têm de ser incompetentes... Só assim podem ser mais facilmente manipuláveis. Alguém tem outro motivo?


Depois... Depois a culpa do mal estar económico em Portugal é, imagine-se, dos professores! Claro!! Claro! Que emigrem... Há muitos países que necessitam de aprender a falar português...! Motivos? Perguntem aos chineses...!!!


Enfim... Há tempos quiseram uns tantos políticos rotular a geração de então como "Geração Rasca". Nós dissemos, sim, que algo parecido seria mais verdadeiro: Mais do que uma "GERAÇÃO RASCA", estava a ser criada uma "GERAÇÃO ENRASCADA! Hoje, acabamos por descobrir que todas as políticas dos que insultaram os jovens (estudantes no início da década de 90) como a Geração rasca, afinal, transformaram Portugal numa "NAÇÃÀ RASCA "!

Pior, depois de tantos anos, quando a chamada "Geração Rasca" cresceu, descobrimos que, afinal, também já não podemos cantar "somos um povo que cerra fileiras" porque apenas somos um povo "que parte à conquista do pão e da paz!", obviamente, noutras paragens (emigrantes!) "... Os políticos fizeram de Portugal um país onde se vive num estado de guerra latente, silenciosa. um país em que o importante é colocar uns grupos profissionais contra os outros enquanto os mesmos políticos de sempre (e outros mais recentes mas todos incompetentes sabem que basta dividir para continuar a reinar) continuam a afundar o país e a beneficiar os poderosos.


Chamaram-lhes, aos jovens de outrora, "Geração Rasca"! Mas a verdade é que foram os políticos (dos mesmos partidos de sempre) que, por irresponsabilidade, em pouco mais de meia dúzia de anos, contribuiram para que Portugal fosse habitado por "UM POVO À RASCA>"... 


Estamos perdidos... 


Mas, para não só falar de desgraça... desafio-vos a ler as palavras de Ricardo Araújo Pereira. Este homem faz humor com tudo. E sobretudo, com a profissão docente! 

Rep(ub)licamos, pois, o seu texto... Obviamente, para ser lido, com o necessário sentido de humor!

 

Neste momento, é óbvio para todos que a culpa do estado a que chegou o ensino é (sem querer apontar dedos) dos professores. Só pode ser deles, aliás. Os alunos estão lá a contragosto, por isso não contam. O ministério muda quase todos os anos, por isso conta ainda menos. Os únicos que se mantêm tempo suficiente no sistema são os professores. Pelo menos os que vão conseguindo escapar com vida.

É evidente que a culpa é deles. E, ao contrário do que costuma acontecer nesta coluna, esta não é uma acusação gratuita. Há razões objectivas para que os culpados sejam os professores.
Reparem: quando falamos de professores, estamos a falar de pessoas que escolheram uma profissão em que ganham mal, não sabem onde vão ser colocados no ano seguinte e todos os dias arriscam levar um banano de um aluno ou de qualquer um dos seus familiares.

O que é que esta gente pode ensinar às nossas crianças? Se eles possuíssem algum tipo de sabedoria, tê-la-iam usado em proveito próprio. É sensato entregar a educação dos nossos filhos a pessoas com esta capacidade de discernimento? Parece-me claro que não.


Ricardo Araújo Pereira


Texto extraído de aqui

publicado por J.Ferreira às 15:08
tags:

pesquisar
 
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
21
22

23
24
25
26
28
29

30


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

7 seguidores

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO